sexta-feira, 28 de abril de 2017

EDUCAÇÃO CRISTÃ: FAMÍLIA E SOCIEDADE SÃ (V)

Deus quer que a mulher se realize na manutenção do lar, na relação conjugal com o marido e no crescimento dos filhos, amando-os e cuidando para que o lar viva na harmonia estabelecida por Ele; é a mulher virtuosa citada em provérbios:

“Mulher virtuosa, quem a achará? O seu valor muito excede o de rubins. Seu marido tem plena confiança nela e nunca lhe falta coisa alguma. Ela só lhe faz o bem, e nunca o mal, todos os dias da sua vida” (Provérbios 31:10-12).

O PAPEL DA MULHER NA FAMÍLIA

A mulher virtuosa é ajudadora do marido, jamais cabeça da casa. Isso não quer dizer que ela tenha que viver em função de atividades domésticas; até porque, diante da situação que o mundo se encontra, se faz necessário, muitas vezes, ela trabalhar fora de casa e ter uma condição de auxiliar o marido e terem um pouco mais de conforto em casa. No entanto, dentro do padrão de Deus, ela não deve ser provedora principal ou responsável pelo lar.

No mundo pós moderno, muitas mulheres reclamam, algumas com razão, pois seus maridos não tomaram a posição de "cabeça" - e vão trabalhar, submissas a gritos de um(a) chefe, em regime de 8/12h horas de trabalho/dia, em troca de um salário. Outras, até têm um emprego bom, mas a relação custo benefício, muitas vezes não vale a pena. Elas perdem a paz no lar, o controle na educação dos filhos, a comunhão da família, etc. O resultado tem se refletido na sociedade como um todo: alto índice de divórcios, crianças criadas por babás ou avós, crianças abandonadas pelas ruas, pedintes, e o desenfreado aumento da violência.

A Bíblia não proíbe a mulher de trabalhar fora de casa. No entanto, ensina quais as prioridades da mulher no lar. Negligenciar marido e filhos para trabalhar fora de casa, definitivamente não é de Deus. Mas, se o trabalho não prejudicar o amor e a harmonia do lar, nem o cuidado com o marido e os filhos, é perfeitamente compreensível, para que, como ajudadora, possa auxiliar no sustento da casa, cada um exercendo seu papel, conforme determinação divina.

A verdade é que, inverter os papéis dentro de casa, ou a mulher ocupar um papel que foi determinado por Deus para o homem, é desobedecer princípios bíblicos estabelecidos para que o propósito de Deus se cumpra na família.

PONTOS A DESTACAR:

1) Nada impede que a mulher trabalhe para auxiliar nas finanças do lar:

“Ela avalia um campo e o compra; com o que ganha planta uma vinha. Entrega-se com vontade ao seu trabalho; seus braços são fortes e vigorosos. Administra bem o seu comércio lucrativo, e a sua lâmpada fica acesa durante a noite” (Provérbios 31:16-18).

“Ela faz vestes de linho e as vende, e fornece cintos aos comerciantes” (Provérbios 31:24).

2) A mulher virtuosa cuida do ensino das Sagradas Escrituras para os filhos. Cuida da oração intercessora de mãe, em favor dos filhos e do marido.Temos muitos exemplos de homens de Deus que aprenderam o Evangelho inicial por suas mães. Vejamos o caso de Timóteo, que foi educado e doutrinado pela mãe e pela avó:

“Recordo-me da sua fé não fingida, que primeiro habitou em sua avó Loide e em sua mãe, Eunice, e estou convencido de que também habita em você” (2 Timóteo 1:5).

“Quanto a você, porém, permaneça nas coisas que aprendeu e das quais tem convicção, pois você sabe de quem o aprendeu. Porque desde criança você conhece as Sagradas Letras, que são capazes de torná-lo sábio para a salvação mediante a fé em Cristo Jesus. Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção e para a instrução na justiça, para que o homem de Deus seja apto e plenamente preparado para toda boa obra” (2 Timóteo 3:14-17).

3) A mulher virtuosa cuida da educação dos filhos, papel importantíssimo dentro do lar. Cuida para ensinar as mulheres jovens como serem boas esposas e mães. Cuida na formação das filhas, no que se refere a feminilidade, educação sexual, comportamento social, relacionamento com o sexo oposto, etc.

“Semelhantemente, ensine as mulheres mais velhas a serem reverentes na sua maneira de viver, a não serem caluniadoras nem escravizadas a muito vinho, mas a serem capazes de ensinar o que é bom. Assim, poderão orientar as mulheres mais jovens a amarem seus maridos e seus filhos, a serem prudentes e puras, a estarem ocupadas em casa, e a serem bondosas e sujeitas a seus maridos, a fim de que a palavra de Deus não seja difamada” (Tito 2:3-5).

A questão aqui não é tratar do que é moralmente certo ou errado, é trazer à reflexão o que gera harmonia e paz, prosperidade espiritual e material dentro do lar. 

Quando os princípios da Palavra não são observados, abre-se a brecha para ação maligna no lar; primeiro por conta da desobediência a uma determinação de Deus e, segundo, porque fora do padrão de Deus, a médio e longo prazo, a relação fica insustentável.

Quando cada um trabalha dentro do papel que Deus ordenou, o nome do Senhor é glorificado e há prosperidade para toda a família.

RESPONSABILIDADES RECÍPROCAS

“É melhor ter companhia do que estar sozinho, porque maior é a recompensa do trabalho de duas pessoas” (Eclesiastes 4:9)

Na relação conjugal e familiar, marido e mulher também têm responsabilidades recíprocas. As informações e situações devem ser compartilhadas: O Planejamento familiar (cuidando das necessidades, etc); a administração financeira (receitas, despesas, aquisição de bens, etc); a educação dos filhos (controle dos estudos, cuidado com a saúde, o lazer, a formação do caráter, os bons hábitos, etc) e o cuidado com a vida espiritual e realização da obra do Senhor, são exemplos de que é necessário um compartilhar sem sobrecarregar.

Tanto homens como mulheres têm singularidades dadas por Deus para se completarem. No entanto, a comunicação é imprescindível para a boa harmonia familiar.  Dialogar com respeito, amabilidade, compreender e valorizar o ponto de vista do outro, é base para seguirem com as demais atividades.

Meditemos nisso!